Eu coloquei trilhos em terrenos que não conhecia. Não sabia se afundaria, se seria uma superfície irregular que faria o trem inteiro chacoalhar, ou se até mesmo este não iria se descarrilhar.  O fato é: Eu não sabia pilotar um trem, muito menos uma máquina tão moderna cheia de botões que faziam me sentir em um foguete.

Ser passageiro tem suas vantagens, ser o maquinista, suas responsabilidades. Sendo assim, eu jamais veria a paisagem na janela?
Deixaria de contar o gado ao redor dos pastos por onde eu passava? 
Durante a aventura olhei apenas para a frente. Aprendi a pilotar e criei novos botões, eu queria mais.

Abri as portas para inúmeros passageiros, parei em diversas estações, e em nenhuma delas a grande máquina chamava tanta atenção.
Os passageiros, cada vez em menor quantidade, pareciam se esconder da enorme lata. 
Era uma máquina diferente, funcionava dia e noite sem parar, não era necessário descanso.

O combustível sim, este era necessário e custava os olhos da cara. Mas nenhum combustível seria suficiente, não havia o apito do trem.
Sinos soavam despercebidos, alto falantes confundiam palavras esgoeladas em meio a multidões, nas estações.
A grande máquina continuava a rodar dia e noite, todos os dias do ano, mas os passageiros esperavam sempre o próximo trem.

Chegamos a mais óbvia conclusão que um trem não tem o menor valor sem o seu apito.  Escolhemos então o apito mais vistoso, que aveludasse os ouvidos e adocicasse a curiosidade de todos.

O povo então, acostumado com o gosto gorduroso e caro de outros pratos, se encantava com o banquete de guloseimas psicológicas sobre a mesa.
Mas quem disse que eles queriam um banquete? Tudo aquilo era o muito que representava pouco. Para uma senhora, o biscoito que acompanha o café era mais importante que a bebida. Para o homem, a cerveja mais barata do armazém o levaria ao gozo do encontro nupcial.

Não restava outra solução: Desmontar os trilhos e aposentar a grande máquina. E foi exatamente entre a tristeza de ver aquela grama antes verde e molhada, agora maltratada pelo peso da máquina, e ao olhar o horizonte esperando a próxima chuva, que percebi o que jamais havia notado.  Os trilhos formavam uma rota em círculos. Por mais que houvessem mil estações, estávamos todos presos no vício de olhar para a máquina e não para a rota.

Jamais venderíamos um novo bilhete, jamais proporcionaríamos uma nova viagem. Estaríamos sempre transportando a sombra, que esta sim mudava de um banco para outro ao passar do dia. Resolvi comprar uma bicicleta sem freios, e talvez algum dia a insanidade suba na garupa.
Terei que interromper o resto da história agora, pois ainda estou no embalo da descida de uma grande colina.

Categories: Coaching

Renata V. Lopes

Atua há mais de 25 anos na área de Tecnologia da Informação com gerenciamento de projetos e equipes multidisciplinares, em grandes empresas como Grupo Gerdau, Lojas Renner, Hewlett-Packard, Rio2016 e Grupo Guanabara. Master coach, leitora compulsiva, blogueira, apaixonada por redes sociais e estudante em constante desenvolvimento, acredita na cooperação, colaboração e compartilhamento do conhecimento como forma de aprendizado.

Deixe uma resposta

error: Conteúdo Protegido!