Para identificar se um funcionário está com problemas pessoais é preciso que o gestor imediato esteja próximo de toda a equipe. Olhando nos olhos sempre que estiver conversando e de preferência com foco total aquele momento. Ajudando e acompanhando em todos os momentos, até nas coisas mais simples, o gestor constrói-se um elo. 

Reforço nesse caso que o gestor imediato é quem no dia a dia deve aprender a conhecer seu time. Quando um funcionário assíduo e comprometido começa a chegar atrasado ou faltar muito, indica que algo não está bem por exemplo. Nesse momento o gestor deve buscar saber o que está acontecendo, com uma conversa transparente e franca. Ele pode até pedir ajuda ao RH, mas nunca delegar essa tarefa. 

Por isso ter estabelecido o elo anteriormente é importante, pois o funcionário se sentirá acolhido e abrirá seu problema pessoal sem medo para o gestor. Entendendo o problema que está afetando o desempenho daquele funcionário, é possível buscar dentro das políticas da empresa, soluções que permitam auxiliar na questão.  

Já presenciei uma situação dentro de uma empresa em que um excelente funcionário pediu um empréstimo a empresa onde trabalhava. A política da empresa não permitia dar empréstimos, mas o gestor quis entender porque ele precisava daquele valor repentinamente. Ao ser questionado explicou que era para custear o tratamento médico da sua esposa, não coberto pelo plano de saúde da empresa.  

O gestor desse funcionário sabia que ele tinha férias vencida e propôs a ele tirar essas férias, assim receberia o dinheiro, além de poder acompanhar sua esposa. Também decidiu emprestar do próprio bolso o valor que ainda faltava para cobrir todo o procedimento. A empresa sabendo dessa atitude do gestor buscou conseguir junto ao banco parceiro, uma forma de conceder empréstimos consignados aos funcionários. E assim foi feito. 

Essa atitude da empresa repercutiu de forma positiva entre os funcionários que perceberam ali um tratamento humanizado. Sendo assim, buscar uma conversa com o gestor é sempre o melhor caminho para quem está com um problema pessoal que afeta seu desempenho. O gestor nem sempre terá condições de ajudar, mas o funcionário se sentirá valorizado e terá motivos para continuar em suas funções. 

Um funcionário com problemas pessoais que se sente acolhido, tende a manter suas responsabilidades e comprometimento. De qualquer forma é importante adotar alguns cuidados como: não expor o problema a todos, tratar as questões pessoais de maneira reservada, se preciso negociar uma folga para resolver o que for preciso, e deixar seu gestor informado que você está tratando a questão. 

Sob a ótica das empresas, nem sempre se consegue implantar um programa de bem-estar e apoio aos funcionários. Programas esses que atuam de maneira preventiva nos casos de doenças e estresse dos funcionários. Mas é possível a todas estabelecer parcerias com preços acessíveis, para que profissionais capacitados possam ajudar seus funcionários em momentos de perdas, separação, doenças graves, ajustes financeiros, etc. 

Esse modelo de parceria funciona bem, principalmente quando o gestor não se sente apto a ajudar ou o RH não tem a estrutura adequada. O importante é que o funcionário não enfrente esse momento sozinho, especialmente se o seu caso for grave. Mas o faça de forma madura e profissional, sem comprometer os resultados da empresa e o ambiente de trabalho.

Fonte: Saúde Premium


Renata V. Lopes

Atua há mais de 25 anos na área de Tecnologia da Informação com gerenciamento de projetos e equipes multidisciplinares, em grandes empresas como Grupo Gerdau, Lojas Renner, Hewlett-Packard, Rio2016 e Grupo Guanabara. Master coach, leitora compulsiva, blogueira, apaixonada por redes sociais e estudante em constante desenvolvimento, acredita na cooperação, colaboração e compartilhamento do conhecimento como forma de aprendizado.

Deixe uma resposta

error: Conteúdo Protegido!